Há poucos dias tivemos acesso ao “meu prontuário médico”. Como não bastasse tudo o que vivi dentro daquele hospital, ainda me vi lendo relatórios e mais relatórios mentirosos, forjados. Me peguei tomada de um ódio tão grande enquanto lia aquelas linhas, principalmente da enfermeira que estava no plantão daquela madrugada.
Não vou citar o nome da tal enfermeira, mas eu sei que ela vai ler o que estou escrevendo, afinal o “hospital” faz questão de acompanhar cada postagem que faço aqui.
Depois de dias pedindo a Deus que tirasse aquele ódio do meu coração, que não permitisse que eu falasse umas verdades para aquela enfermeira que deveria ter me socorrido durante a madrugada, que poderia ter tido um único ato de boa vontade e tentado salvar a vida da minha filha, estou aqui.
Você, enfermeira, sabe que suas palavras naquele relatório são mentirosas. Você sabe que as 03:30 da madrugada eu não estava dormindo tranquilamente, você sabe que não foi me visitar pra ouvir o BCF da Isabelle, você sabe que gritei de dor e por socorro a noite toda, sabe que minha mãe implorou por ajuda inúmeras vezes antes das 06:00 da manhã, você tem plena consciência da sua grande parcela de culpa na morte da minha filha.
O que tenho a dizer para você, é que desejo do fundo do meu coração, que você tenha se arrependido por ter nos negado socorro, por nos ter negligenciado.
Me lembro que você não tem filhos e espero que não tenha que passar por tudo o que passei para conseguir engravidar. E estando gestante no futuro, torço para que você não passe pelos dias de angústia e desespero que passei por medo de perder minha filha.
Desejo que se Deus lhe conceder a graça de ser mãe, que você tenha uma gestação tranquila, que seu bebê venha ao mundo saudável e se houver qualquer intercorrência durante a gravidez e se por um acaso você precisar dos cuidados de uma enfermeira, que você seja tratada com o amor e resiliência que não teve comigo.
Desejo que você seja mãe de um filho vivo, que não chore todas as noites pelo trauma sofrido e pelos braços vazios, que não procure em todas as crianças que vê na rua um pouquinho do seu bebê, como eu procuro a minha filha. Que não sinta saudades de momentos que se quer chegou a viver com seu filho.
Desejo do fundo do meu coração que você seja mãe. Pois assim você vai entender o desespero que meu marido e eu sentimos quando minha bolsa rompeu, que aquele desespero não era desequilíbrio emocional e sim uma mistura de amor e medo.
Talvez somente sendo mãe o seu coração mude e você entenda a gravidade da sua atitude ou falta de atitude conosco.
Mas o meu maior desejo mesmo, é que se não for da vontade de Deus que você seja mãe, que o seu coração seja transformado, para que você não faça com outras mães o que fez comigo, que não carregue nos ombros a culpa da morte de outras Isabelle’s.