Por meio das publicações que venho fazendo, sobre a minha realidade nos últimos meses, encontrei diversas pessoas que passaram por situações parecidas.
Aqui nas redes sociais, encontro diariamente mulheres que, assim como eu, sofreram violência obstétrica; mulheres que, assim como eu, sequer sabiam que isso existia; e mulheres que, assim como eu, resolveram quebrar o silêncio em busca de justiça.
Aqui nas redes sociais encontrei e continuo a encontrar diariamente mulheres que, assim como eu, sonham com a maternidade; mulheres que, assim como eu, vibraram de alegria com o tão esperado positivo; e que, assim como eu, perderam o chão quando seus filhos se foram.
Aqui nas redes sociais encontrei mulheres que, assim como eu, viveram ou estão vivendo uma tempestade; mulheres que, assim como eu, em algum momento pensaram em desistir; mulheres que, assim como eu, encontraram forças para prosseguir vindas das experiencias e vitórias de mulheres assim como nós.
Mulheres que, assim como eu, sofrem como se a dor fosse sua, quando o bebê de outra mãe ganha asas. Mulheres que, assim como eu, vibra quando o arco íris de uma de nós surge depois da tempestade.
Mulheres humanas, que sabem a dor e ao mesmo tempo a honra de serem escolhidas para ser mães... mães de anjos.
Aqui nas redes sociais, nós nos encontramos, nos conhecemos, nos reconhecemos e nos apoiamos.