Era melhor viver, do que postar...

Minhas contas sempre foram restritas para que apenas meus amigos pudessem vizualizar o que postava. Isso mudou, depois que minha filha virou um anjo.
Em minhas redes sociais não tem fotos minhas grávida e apesar de eu ter feito inúmeras ultrassons pra namorar a minha filha durante a gestação, também não tem imagens dela. As poucas vezes que publiquei imagens de ultrassom foram nos meu stories e nos status do whatsapp.
Com o tempo nós adotamos a filosofia do “é melhor viver, do que postar” e procurávamos, meu esposo e eu, não expôr nossa vida e principalmente não expôr nossa filha.
Foi uma decisão muito difícil, essa de escrever nossa história, abrir minhas redes sociais, publicar sobre nosso sofrimento, expôr nossa dor. Mas não poderia ser diferente.
Recebemos vários relatos nos últimos dias de pessoas que assim como nós, sofreram negligência no Hospital São Luiz, algumas denunciaram e de nada adiantou. Infelizmente a denuncia só ganha força, se houver uma divulgação ampla sobre o ocorrido, por este motivo estamos divulgando o máximo possível.
Recebemos a contagem de acessos de 2 dos sites de notícias que divulgaram nossa história. Os dois juntos tiveram em 24 horas 16 mil acessos.
Agradeço a cada um que tem compartilhado nossas postagens, e peço que continuem compartilhando, só assim conseguiremos providências para mudança no atendimento desse hospital.
Alguma coisa precisa ser feita! Outros bebês, não podem perder a vida naquele “hospital”, como a minha Isa perdeu.


Imprimir   Email

Mais páginas do diário